Grupo Português de Discus

Caros Membros e Visitantes o Fórum Grupo

Português de Discus encontra-se ABERTO

Obrigado pela vossa presença e participação no

mesmo espero que gostem e desfrutem.

Qualquer dificuldade de Login no Fórum deve ser

comunicado para:

Grupoportuguesdediscus@hotmail.com

Atentamente

Administração

Fórum dedicado a Discus


    [Artigo] A Importância dos Testes em Aquários

    Compartilhe
    avatar
    Ricardo A. Silva
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 2052
    Data de inscrição : 07/11/2009
    Idade : 32
    Localização : Sintra

    [Artigo] A Importância dos Testes em Aquários

    Mensagem por Ricardo A. Silva em Qui 12 Nov 2009, 20:41

    A Importância dos Testes em Aquários



    Nitratos

    Muita gente confunde nitrato (NO3) com nitrito (NO2). O nitrato, diferentemente do nitrito é acumulativo, praticamente inofensivo aos peixes em concentrações consideradas altas, mas extremamente prejudicial a corais e invertebrados. É considerado um dos principais responsáveis pelo aparecimento de algas verdes em nossos tanques. Seu controle deve ser preventivo, pois quando aparece em concentrações maiores, torna-se bem difícil baixá-lo.

    Existem no mercado resinas removedoras deste elemento mas só funcionam em concentrações abaixo de 20 mg/l. Caso os níveis deste elemento sejam superiores a isto, efectue trocas parciais com mais frequência e em maior quantidade, mas veja: Não adianta nada tentar resolver o problema se não atingirmos o que o causa! Se o nitrato de seu aquário for crescente e de difícil controle, verifique se não está alimentando demais ou se não possui peixes demais. Verifique a potência do seu skimmer, qualidade do sal e do carvão activado que usa e certifique-se que está usando água deionisada e de estar fazendo trocas parciais de maneira correta e no tempo certo. Em aquários de filtro biológicos e dry-wets torna-se praticamente impossível controlar este elemento, mas devemos fazer o máximo possível.
    Para controlar este elemento usamos sempre o Sistema Jaubert, que consiste em placas pretas furadas com uma camada de cerca de 10 cm de cascalho de halimeda por cima. Veja mais detalhes sobre o sistema no livro "O Aquário Marinho & as Rochas Vivas".

    As concentrações deste elemento devem ser muito próximas a zero, mas são toleráveis, mas não recomendáveis níveis até no máximo 6mg/l. Este teste é indispensável, principalmente para quem possui aquários de rochas vivas.


    PH

    É muito difícil medir estes valores com testes líquidos já que variam durante todo o dia e devido a difícil visualização dos valores correctos pois o contraste de cores é muito pequeno. Existem no mercado o que chamamos de peagâmetros, que são medidores precisos e electrónicos de pH que possuem preços elevados, mas são de bastante utilidade.
    O ideal para obtermos um resultado interessante, é fazermos 3 testes de pH durante o período de um dia, se não usarmos um peagâmetro digital. Isto porque pela manhã o pH é sempre mais baixo, à noite o pH é sempre mais alto e durante o dia o pH está em transição. Com os 3 valores podemos dizer se tudo corre normalmente no aquário.
    Os valores ideais de pH giram em torno de 8.3 a 8.5. Pela manhã os valores podem chegar a 8.10 e à noite, 8.6.
    O pH está directamente relacionado com a reserva alcalina que veremos a seguir. Caso haja necessidade de elevar o pH de seu tanque, recomendo elevar antes a reserva alcalina e esperar algumas semanas até que o pH aumente sozinho. Em caso de pH adulterado, verifique factores como circulação de água, tipo de cascalho usado, uso ou não de tamponadores, níveis de reserva alcalina (KH), uso ou não de reactor de cálcio, etc...
    Problemas de pH são muito frequentes para quem não usa tamponadores (veja a seguir), principalmente em aquários de filtros biológicos de fundo e dry-wets.


    KH

    Carbonate Hardness, ou reserva alcalina, representam a quantidade (dureza) de bicarbonatos que nossa água apresenta, o que traduzindo para o "entendes", significa a quantidade de elementos que temos na água que não deixarão o pH cair. Os níveis ideais de KH são de 7 a 8 dKh (2.8 a 3.2meq/l). É o teste mais fácil de ser feito.
    Para manter estes níveis na faixa ideal, devemos adicionar regularmente tamponadores, que são produtos que contém os sais de bicarbonatos. Cada marca de tamponador apresenta-se de uma maneira com diferentes dosagens e maneiras de administrar. Particularmente uso e recomendo o uso de BioCalcium, que além de sais tamponadores, contém também cálcio em sua formulação.


    Fosfato

    Inofensivo aos peixes, este elemento é considerado o prato predilecto das algas filamentosas que tanto prejudicam nossos aquários, e por isso deve ser mantido a níveis baixos. Para isto usamos skimmers, trocas parciais (usando água e sal sintético de boa qualidade ou água natural de boa procedência), tomamos sempre o cuidado de lavar bem as mãos antes de colocá-las na água, usar carvão activado e produtos para aquário sempre sem este elementos (indicado no rótulo com os dizeres nitrate and phosphate free), cuidamos para oferecer sempre alimento de qualidade e na quantidade certa, e incentivamos o desenvolvimento de algas calcárias, conseguídos através da manutenção constante de uma reserva alcalina alta e equilibrada e adição regular de cálcio. Os níveis deste elemento devem ser zero ou muito próximo a isso.


    Cálcio

    Elemento muito importante para aquários de rochas vivas, pois dele dependem para o perfeito crescimento e formação os corais, invertebrados e principalmente as algas calcárias (pink) que são responsáveis pelo crescimento e não erosão das rochas. Deve ser mantido entre 400 e 420ppm, o que não é tarefa muito fácil...
    Os níveis de cálcio diminuem quando adicionamos muito tamponador na água. Isso ocorre porque alguns sais tamponadores reagem com o cálcio, gerando uma precipitação deste elemento. Por isso, é importante que o aquariofilista seja comedido e consciente de que mudanças devem ocorrer lentamente. Se o teste for feito e os resultados não forem satisfatórios, nada de precipitações. Por exemplo. O nível de cálcio do aquário está em 200mg/l. Sem pânico! Aumenta-se a dosagem de adição de cálcio em 10%.

    Após uma semana, novo teste, e se ainda estiver baixo, mais um aumento em 10% na quantidade de cálcio, e assim por diante. Não faça gangorras de elementos químicos, ou seja, a reserva está alta o cálcio baixo, e você joga uma quantidade grande de cálcio para compensar. Daí a reserva cai e o cálcio sobe, e então você joga uma quantidade grande de tamponador, e assim por diante. Se você fizer isso, poderá causar um desequilíbrio iónico no aquário e as consequências serão terríveis.
    Se níveis muito baixos de reserva alcalina ou cálcio aparecerem, efectue duas trocas parciais de água seguídas com intervalo de uma semana e uma quantidade equivalente a 25% do volume total de água do aquário. Isso ajudará a re-equilibrar tudo.


    Densidade

    Na verdade, o que queremos saber mesmo é a salinidade e não a densidade, mas como os "salinómetros" são muitíssimo caros, e por isso inviáveis, medimos mesmo a densidade. Devemos manter em 1020 aquários para peixes e cerca de 1023 a 1024 para aquários de rochas vivas com corais e invertebrados. Aqueles densímetros plásticos importados são a melhor opção, embora pouco precisos. O ideal seria levá-los a um laboratório químico para aferição e calibragem periodicamente para uma maior exactidão nos dados. Lembre-se : Melhor um tanque com salinidade errada que correcções e variações bruscas.

    A densidade está alta, troque um pouco da água de seu aquário e complete com água doce. Nunca mais que 1% por vez para evitar variações bruscas. Se a densidade está baixa, acrescente um pouquinho de sal por dia, até atingir os níveis desejados ou em vez de completar a água que evapora com água doce, passe a completar com água salgada até atingir o objectivo.
    Lembre-se: Quedas de densidade não são tão prejudiciais, mas um aumento brusco nestes níveis poderá dizimar a população de um aquário em questão de horas.


    Temperatura

    Deve girar em torno de 24 a 26 graus. Claro que com o clima de nosso país isto é praticamente impossível sem a ajuda de um refrigerador. Tudo bem, não dá para bancar um destes, ao menos se preocupe em manter seu tanque em local o mais fresco possível e bastante arejado. Lembre-se dos microventiladores que, se instalados na tampa, soprando ar na direcção da água ajudarão a esfriar bem o aquário, mas se possível, compre um termostato para ventiladores, disponível nas lojas do ramo e praticamente indispensável para quem usa este recurso de refrigeração.

    Corais e invertebrados mais sensíveis suportam temperaturas máximas de 28 graus (limite muito perigoso), e peixes aguentam até uns 31 graus, mas não se sentem muito bem, pois quanto mais alta a temperatura da água, menor será a quantidade de oxigénio dissolvido. Para medir a temperatura, o melhor jeito é usar um termómetro electrónicos, devido à sua precisão , apesar do seu custo ser bastante alto. Os termómetros flutuantes são a segunda melhor opção. Cuidado com aqueles do tipo adesivo, pois captam temperaturas externas e não somente da água e passam informações incorrectas.
    Para se ter uma ideia, 90% das pessoas que têm problemas de íctio em seus aquários nem sabem, mas têm problemas de variação diária de temperatura. Existem aquários que são projectados de maneira incorrecta e fazem a temperatura variar cerca de 2 graus durante o período de 24 horas. Isto já é suficiente para causar problemas de saúde aos peixes. Em alguns casos, só mesmo o chiller resolverá o problema.


    Potencial Redox - ORP

    Pouco conhecido dos aquariofilistas, potencial redox significa a grosso modo, o potencial de redução de nossos aquários, ou seja, a capacidade que as bactérias benéficas tem de transformar (reduzir) os elementos. Um tanque com alto potencial redox é sempre cristalino, apresenta pouquíssimas ou nenhuma alga, estabilidade impressionante e melhor qualidade de vida dos habitantes. Só pode ser medido por um aparelho electrónico, mas pode ser notado visualmente se apresentar às características já citadas. Influem directamente o potencial redox: Higiene, qualidade do sal e da água, qualidade do carvão activado, quantidade e potência das bombas, quantidade e qualidade dos alimentos, quantidade e tamanho dos peixes, potência do skimmer, etc...
    De 340 a 360 milivolts, consideramos bom. De 361 a 390, óptimo e de 391 para cima, muito alto e até perigoso (caso de pessoas que usam ozónio em seus skimmers). Para termos um potencial redox sempre alto, devemos garantir o bom funcionamento dos factores citados.
    É claro que os elementos e factores aqui mencionados foram descritos de maneira muito superficial, pois se trata apenas de uma matéria - referência. Informe-se melhor sobre cada elemento para ter a certeza de estar fazendo a coisa certa. Maior detalhe pode ser encontrado no livro "O Aquário Marinho & as Rochas Vivas".


    _________________
    Cumprimentos,
    Ricardo A. Silva

      Data/hora atual: Dom 22 Out 2017, 09:45